sábado, 11 de abril de 2015

CAMPOS DE ENERGIA

  CAMPOS DE ENERGIA

A tua personalidade é composta por três campos de energia e pelos seus respectivos conteúdos. E a
combinação entre um campo e os seus conteúdos é aquilo a que eu chamo «corpo».

   Assim, o teu eu-espírito organiza a sua própria energia em ondas estacionárias para gerar três corpos
energéticos dentro dos seus invólucros respectivos - o físico, o emocional e o mental - que depois projecta
ou, se quiseres, manifesta.

   O quarto corpo – o espiritual – constitui-se como uma ponte entre estes três corpos inferiores e o ESPÍ-
RITO.

   Como veremos mais adiante, é extremamente importante o facto de estes quatro corpos, cujas nature-
zas são tão distintas, se projectarem ou se quiseres, se manifestarem a partir de mesma «coisa».
   Vejamos, primeiro, o corpo físico.

   Muitos factores determinam a forma como ele se manifesta. Há muito tempo que a espécie humana op-
tou por um processo de nascimento físico em vez de, simplesmente, projectar o corpo para dentro de um
campo criado pelo ESPÍRITO (mais tarde veremos a razão por que é assim). Além disto, a concepção foi
projectada para diversificar o conjunto de genes e, assim, permitir uma infinita variedade de matrizes
genéticas físicas.

   No momento da concepção, as matrizes completas de ADN dos progenitores fundem-se para formar
uma terceira matriz; depois, à medida que o ovo se vai subdividindo e que as células se vão formando, as
unidades de energia consciente colaboram na formação das partículas subatómicas, depois dos átomos e,
seguidamente, das moléculas. Este processo é supervisionado pela matriz do corpo físico, a qual está con-
tida nos padrões gerais do próprio ADN.

   Enquanto ESPÍRITO, cada um de vós selecionou, previamente, os seus futuros pais em função da
sua genética, das condicionantes e das circunstâncias familiares necessárias à sua encarnação, prestes
a ocorrer; depois, «manipulou» cuidadosamente o seu ADN a partir do dos progenitores escolhidos.
Seguidamente, os três, em conjunto e em colaboração com os seus eus-espírito respectivos, decidiram
o momento da concepção, baseando-se em factores imensamente complexos.

   Os astrólogos ainda só vislumbraram uma pequeníssima parte de toda esta complexidade; os cientistas,
por seu lado, descodificaram somente uma fracção dos milhões de informações armazenadas no ADN.

   Para além das tuas características físicas, o teu ADN também contém a história de todas as tuas
encarnações através do tempo, assim como a história de cada uma das espécies que alguma vez tenham
existido ou venham a existir. O ADN pode ser entendido como uma série de moléculas mas, tal como o
holograma, deve ser lido na sua totalidade para se obter o máximo resultado.

   Durante os primeiros meses de gestação, a energia consciente encarregada de construir as células, lê o
ADN e descodifica-o para saber que tipo de célula deve construir. As células em crescimento, através do
seu próprio tipo de consciência, afinam-se simultaneamente com o molde do corpo físico e com o «futuro»
para se orientarem em relação a como devem crescer e desenvolver-se. Organizam-se a si mesmas e cap-


tam unidades de energia maiores para se poderem transformar, não só nos tipos de átomos necessários,
mas também para se multiplicarem respeitando o modelo especificado pelo ADN para a sua função parti-
cular.

   Por exemplo, a consciência de uma célula que vai integrar o fígado, capta energia e subdivide-se para
formar outras células do fígado.

   Então, o crescimento, que é muito rápido no início, vai abrandando à medida que se conclui o período
de gestação; continua após o nascimento, durante vários anos, até que, finalmente, se estabiliza, passan-
do a efectuar só as «reparações» que se tornem necessárias.

   É assim que o corpo físico, que se prepara para nascer, vai sendo construído por ondas estacionárias
(dentro de ondas estacionárias, dentro de outras ondas estacionárias), à medida que a sua consciência
forma átomos, moléculas e órgãos. Isto decorre sob a direcção do eu-espírito da entidade que vai encarnar
e de algo que poderá ser considerado como uma versão «futura» do corpo, e que serviu de matriz.

   Uma vez concebido, criado, nascido e desenvolvido até ao seu tamanho normal, tu não abandonas o
teu corpo físico até que se lhe tenha acabado a corda, como se fosse um relógio!

   Resta dizer que a energia que anima as partículas desse teu corpo se renova vários milhões de vezes
por segundo. De facto, ele recria-se constantemente segundo o desenho do ADN que escolheste e das for-
mas-pensamento acerca do teu corpo físico... que guardas na matriz do teu corpo mental!

   Os corpos físicos dos seres humanos são entidades milagrosas, com consciência própria, que se auto-
regulam de uma forma extraordinária. E tu passas a vida arquitectando a consciência de acordo com as
opiniões, tuas e alheias, acerca do teu corpo físico. De facto, através da ressonância, os pensamentos e
as emoções que tu manténs acerca de ti mesmo possuem um enorme impacto sobre a consciência do
teu corpo: o medo da doença ou da morte pode, literalmente, programá-lo para que adoeça. Estes
processos são responsáveis pela corrupção do ADN (o que, com frequência, gera o cancro) e das condições
normalmente atribuídas ao envelhecimento. Escusado será dizer que, ao invés, pensamentos de saúde e
de bem-estar programam o corpo físico para que desencadeie os seus próprios mecanismos de cura.

   Estas explicações só muito ao de leve afloram a complexidade do que realmente se passa; se te expli-
casse como procedes para assegurar o crescimento do teu corpo, ficarias totalmente assombrado! Mas
trata-se apenas de informações básicas, à guisa de curso, cuja intenção é mostrar que o corpo físico é, na
realidade, energia ordenada de ondas estacionárias... apesar de parecer um contínuo sólido de partículas
sub-atómicas, átomos, moléculas e órgãos que se vão organizando até formarem o corpo completo.

   Neste processo, cada unidade de energia está plenamente consciente do seu papel e colabora gostosa-
mente na estrutura daquilo que, de acordo com a tua noção de realidade, conheces como corpo físico.
   Talvez fiques surpreendido por teres aprendido que os corpos físicos são conscientes; não me refiro,
todavia, àquilo que costumas entender por consciência. O corpo sabe, por exemplo, o que deve fazer para
que o coração bata, para que a digestão seja feita, para que se possa curar a si mesmo; também conhece
os ciclos da lua, dos planetas e das estrelas, e constantemente se serve e se adapta a eles. Todavia, como
é composto da energia consciente que foi «colhida» do imenso campo planetário... convém dizer que o
planeta e o ESPÍRITO desempenharam um papel muito mais preponderante no teu nascimento do que
os teus pais biológicos!

   O que consideras ser a tua consciência é, realmente, uma mistura de vários tipos distintos de consciên-
cia, o que não impede que formem a unidade subjacente à tua existência:
a consciência sub-atómica, que conhece os imensos campos cósmicos e nos quais interage com as
outras consciências sub-atómicas;
a consciência celular, baseada na matriz do ADN, que contém a gravação das experiências da tua
vida, dos teus pensamentos e das tuas emoções;
a consciência do corpo, isto é, a consciência celular relacionada com algumas ideias próprias, ape-
sar de o corpo físico depender bastante das crenças que o corpo mental tem em relação à sua pró-
pria imagem;
a consciência das emoções que fluem em cada momento, sobrepostas às emoções do passado... às
quais te aferras em vez de as deixares partir;
a consciência dos pensamentos e das crenças com que estruturas a realidade; consciencializa-te,
porém, de que uma crença não passa de uma opinião acerca da realidade;

a consciência espiritual, intuição ou conhecimento directo. Este tipo de consciência está relaciona-
do com o que tem sido denominado frequentemente como Mente Universal, mas, na verdade, per-
tence a uma matriz oculta a partir da qual a realidade flui. É este tipo de consciência que contém,
entre outras coisas, os arquétipos da tua espécie – os aspectos heróicos da humanidade. Através
desta «interface» com a realidade física, tu podes aceder a outros tempos, outros lugares e outras
dimensões.

   A maior parte da energia que entra na composição do teu corpo físico provém da assimilação dos ali-
mentos que ingeres; este processo, porém, está a ser gradualmente abandonado porque a energia está
a deixar de ser «assimilada» para passar a ser, progressivamente, «projectada».

   Vejamos como isto funciona: em vez da energia das proteínas, dos amidos e dos outros componentes da
comida ingerida, os níveis do ESPÍRITO do teu ser já começaram a projectar unidades de energia conscien-
tes para dentro do teu campo físico, cuja missão é fabricar e reparar as estruturas celulares, ou seja,
fazer o que, até aqui, era a função da energia «assimilada». Na verdade, o eu-espírito de cada um de
vós está a «reformatar», sistematicamente, as células do corpo físico para que passem a ser alimenta-
das pela energia «projectada», em vez de pela energia «assimilada».

   Resta acrescentar que esta energia «projectada» provém da que está por detrás da radiação conhecida
como luz solar. Portanto... tu já começaste a formar aquilo que é conhecido como Corpo de Luz!

   Cada vez mais o corpo físico se alimentará de energia, em vez dos nutrientes físicos, contidos no invó-
lucro celular. Uma das consequências desta alteração é que a frequência das células, e do corpo em geral,
está a elevar-se.

Com o tempo, o corpo vai começar a brilhar suavemente; aí, estarás num Corpo de Luz!

   Há várias formas distintas de desencadear esta mudança, mas, normalmente, torna-se necessária uma
certa forma de consentimento consciente da parte de cada um de vós. A intenção deste livro é oferecer-
vos uma espécie de «mapa de estradas», um plano do terreno que têm pela frente, para que possam
envolver-se neste processo com conhecimento e entendimento. Num excelente livrinho O QUE É UM COR-
PO DE LUZ, canalizado por Tachi-ren, o Arcanjo Ariel apresenta um «programa» de 12 níveis para chegar à
Luz, assim como os sintomas físicos, emocionais e mentais que podem manifestar-se em cada nível.

   Cada um dos diferentes campos (físico, emocional, mental e espiritual) vibra de acordo com a sua fre-
quência característica. Numas pessoas vibram rapidamente; noutras, lentamente, Todavia, tu fazes vibrar
os teus campos numa proporção específica em relação aos outros campos – 11, 22, 33 e assim sucessiva-
mente. Se a taxa de vibração de um campo muda e a relação varia, sentir-te-ás «deslocado» ou enjoado.

   Dado que a vibração dos campos e das taxas relativas de vibração são vitalmente importantes, volta-
remos ao assunto na Segunda Parte deste livro.

   Para encerrar este capítulo: diz-se com frequência que a ciência e a religião são como dois comboios
movimentando-se na mesma direcção, sobre carris paralelos, num processo onde a religião se empenha na
exploração do Pensador e a ciência na exploração do Pensamento. Não tarda, porém, ambas se encontra-
rão num ponto onde os carris passam a ser um só. O que acontecerá então? Bom, poderá ocorrer um cho-
que tremendo ou, pelo contrário, pode ser que, finalmente, compreendam que Pensador e Pensamento
são uma e a mesma coisa!

   O princípio organizador do Universo e a energia que compõe o universo, físico e não físico, são a mes-
ma coisa: um contínuo de energia consciente, vibrando em todas as frequências concebíveis e inconcebí-
veis, organizadas com uma beleza tal que a respiração se suspende.


E esta energia deleita-se no regozijo da sua criatividade.