sábado, 11 de abril de 2015

CAMPOS EMOCIONAIS



  Vimos, anteriormente, que o eu-espírito manifesta três campos: o físico, o emocional e o mental.


  O campo emocional é composto de um tipo de energia que não penetra através da barreira física à
maneira das partículas sub-atómicas, tal como o faz a energia do campo físico. Não penetra mas, obvia-
mente, interage com o campo físico uma vez que... é no corpo físico que sentes as emoções!

Assim, as emoções afectam directamente o estado do corpo físico, para o bem ou para o mal.

   No entanto, o corpo emocional é um campo completamente separado, com um invólucro maior – diga-
mos entre 60 a 180 cm para além do perímetro do corpo físico - embora, em algumas pessoas, possa ser
bastante maior. Trata-se de um campo percorrido por energias de frequências especiais, algumas das
quais são geradas por ti mesmo; outras, capta-las usando os campos como se fossem antenas. E é assim
que te relacionas com uma certa emoção.

   Por conseguinte, é fundamental:

- saberes quais as energias que tu próprio geras e quais as que captas do exterior;
- saberes que tens controlo... sobre umas e sobre outras!

   Suponhamos que, de repente, ficas furioso. Bom, donde proveio essa fúria? Evidentemente que algo
dentro de ti a gerou. Talvez tenha sido a) a expectativa de que outra pessoa iria comportar-se de deter-
minada maneira e não o fez; b) preparavas-te para fazer algo de certa forma e a coisa deu para o torto; c)
esperavas que determinada experiência ocorresse sob um padrão definido e ocorreu diversamente, etc.

   O facto de os teus planos falharem faz com que te sintas imprestável, e a energia do entusiasmo, que
antes te preenchia, dissolve-se no campo emocional. Ao sentimento que daí resulta, dás o nome de fúria.

   A fúria, porém, pode provir, aparentemente, do nada; neste caso, podes estar a captá-la de outra pes-
soa que está dentro dos teus campos. Como essa fúria não é tua, podes livrar-te dela muito facilmente
fazendo girar o teu campo emocional como se fosse uma centrifugadora, enquanto declaras que dese-
jas devolver essa energia ao Universo.

   Experimenta e sente como essa energia sai de ti.

   Descarregar as próprias fúrias interiores é igualmente fácil: deves começar por compreender que se
trata, simplesmente, de energia... que adora estar em movimento, que se aborrece quando está para-
da. Compreende, também, que esta energia não é tua; simplesmente tomaste-a por empréstimo, durante
algum tempo. Então, faz rodopiar rapidamente os teus campos e declara a ti mesmo:

Esta fúria (medo, ciúmes, etc.) não é minha nem eu sou dela.

Liberto-a de retorno ao Universo.

   A energia emocional não é boa nem é má; simplesmente é. No entanto, talvez não queiras livrar-te de
outras frequências, por exemplo, as do amor e do bem-estar.


Se sentes uma emoção como agradável, é porque está a ser captada desde outra fonte: o ESPÍRITO.